No dia 23 de agosto de 2014 faleceu a Baronesa Philippine de Rothschild, dama do vinho que desde a morte de seu pai, Barão Philippe de Rothschild, estava à frente de uma das mais famosas vinícolas de Bordeaux. Philippine assinava o rótulo do prestigiado Château Mouton Rothschild, o único Grand Cru em 1855 elevado à categoria de Premier Grand Cru anos mais tarde.

O histórico upgrade à categoria de Premier Grand Cru, ocorrido em 1973, deu origem à mudança do mote da empresa, de:

Premier ne puis, second ne daigne, Mouton suis. (“Primeiro, eu não posso ser. Segundo, eu me recuso. Mouton eu sou”)

Para:

Premier je suis, Second je fus, Mouton ne change. (“Primeiro, eu sou. Segundo, eu fui. Mouton não muda”)

À frente da empresa centenária Baron Philippe de Rothschild, Philippine abriu os horizontes para o novo mundo, criando joint ventures que produzem rótulos ícones como o Almaviva, no Chile, e o Opus One, na California.

Sempre ligada à arte, a família Rothschild inovou ao inserir no rótulo de sua obra prima, o Château Mouton Rothschild, imagens de obras de artistas como Salvador Dalí, Francis Bacon, Picasso e Miró. Para quem tiver a oportunidade, vale a visita ao museu de arte da família, com obras privadas adquiridas ao longo dos séculos. O museu inclui uma exposição de todos os rótulos adornados com obras de artistas, com excessão do rótulo de 2000 que apresenta imagem de um carneiro de ouro, peça do museu.